ÁREA DO ASSOCIADO

Faça seu login para ter acesso completo a sua conta.

Dúvidas: (92) 3651.7798 | 3308.9313 . contato@simeam.org

Notícias

PRESIDENTE DO SIMEAM LEVA PROBLEMAS DE MÉDICOS DO AM A ASSEMBLEIA GERAL NA ARGENTINA

Quarta-Feira, 27 de novembro de 2019

Mario Vianna expôs o drama enfrentado pelos profissionais com relação a atrasos de pagamentos e violência institucional, além de compartilhar a situação dos médicos venezuelanos, em Manaus e Roraima.

O presidente do Simeam, Dr. Mario Vianna participou de 20 a 23 de novembro da XVIII Assembleia Geral Ordinária da Confederação Médica Ibero-Latina-Americana e do Caribe (Confemel), realizada em Salta, na Argentina. O evento contou com a presença do governador de Salta, Juan Manuel Urtubey, e do ministro da Saúde de Salta, Roque Mascarello.

Os problemas enfrentados pelos profissionais médicos do Amazonas foram compartilhados com representantes de entidades médicas de países como Venezuela, Argentina, Peru, Panamá, Costa Rica, Uruguai, Honduras e Guatemala. O encontro proporcionou debates sobre questões relacionadas à prática médica, como a telemedicina, judicialização na medicina, mudanças climáticas, bioética no final da vida, saúde ocupacional e violência contra a equipe de saúde.

Mario Vianna defendeu que para o exercício da telemedicina, seja obrigatório à presença do médico nas duas pontas, principalmente nos grandes centros e com regras bem claras. Sobre a judicialização da prática médica, Mario Vianna acredita que cada vez mais o médico está sendo ameaçado, e diante de eventualidades, os profissionais são culpados por suposto erro médico, sem o direito de defesa, tornando cada vez mais difícil o exercício do profissional. “Acredito que num futuro muito próximo, todo médico deverá ter um seguro de medicina defensiva”, prevê o presidente do Simeam.

Na discussão sobre segurança no ambiente de trabalho e violência contra as equipes de saúde, Mario Vianna fez colocações sobre o cenário do Amazonas e no Brasil, destacando a violência institucional e psicológica, que é tão ou mais grave que a violência física, pontuou, citando o caso de três médicas do Estado que foram suspensas de suas atividades sem o amplo direito de defesa.

Na Assembleia Geral Ordinária, o representante da categoria no Amazonas compartilhou a situação das empresas de especialidades médicas que, pelas relações precárias de trabalho, o governo acaba abusando psicologicamente com ameaças e atrasos de pagamentos, além de suspensão de contratos e anúncio de contratação de organizações sociais (OS).

O drama enfrentado pelos médicos venezuelanos foi destacado na reunião dos líderes de entidades médicas. Mario Vianna apresentou a proposta de criação de um curso intensivo e preparatório que poderá ser realizado pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM) com o objetivo de preparar os médicos imigrantes para o exame Revalida e atuar no Estado.

Levar os problemas dos médicos do Amazonas para um evento internacional que reúne os grandes líderes de entidades médicas é uma oportunidade ímpar para mostrar ao mundo a situação que hora passa a saúde do nosso estado, com a expectativa de que medidas são elaboradas para sanar esses percalços que a categoria enfrenta”, avaliou Vianna.

 

Deixe seu comentário