ÁREA DO ASSOCIADO

Faça seu login para ter acesso completo a sua conta.

Dúvidas: (92) 3651.7798 | 3308.9313 . contato@simeam.org

Notícias

VÍDEO MOSTRA SUPERLOTAÇÃO EM UNIDADE DE SAÚDE E PACIENTES NO CHÃO

Quinta-Feira, 16 de maio de 2019

Um vídeo gravado nesta terça-feira (14) no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, zona leste de Manaus, mostra a superlotação de pacientes nos corredores da unidade de saúde. Nas imagens enviadas ao Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), uma paciente que não quis se identificar desmascara o Governo do Estado que insiste em fazer propaganda enganosa afirmando que está tudo funcionando normalmente na área da saúde.

Assista:

https://www.youtube.com/watch?v=77Bc4iG_fNU

Na gravação a paciente narra a insatisfação em ter que estar internada no corredor. “O governo falando que tá funcionando tudo normalmente, mas pra mim, ficar internada no corredor de um hospital não é normal. A pessoa tá doente e tem que ficar no corredor porque não tem vaga”, afirma, mostrando a superlotação nos corredores do HPS João Lúcio.

Em outro vídeo gravado no dia 1 de maio, uma profissional da saúde também denuncia a lotação e a falta de estrutura na sala de poli trauma de um hospital onde pacientes estão no chão diante da falta de macas.

Cansada da falta de infraestrutura e das constantes acusações da gestão em chamar os profissionais da saúde de mentirosos, a profissional, que preferiu não se identificar com receio de sofrer retaliações, resolveu gravar o vídeo para denunciar o estado precário com que os pacientes são atendidos na unidade.

O governo chama a gente de mentirosos, mas tá aqui, a sala de poli trauma lotada, pacientes no chão porque não tem maca e ainda tem pacientes aguardando atendimento”, diz.

Para o presidente do Simeam, Dr. Mario Vianna, a situação exige uma atitude rápida e enérgica dos órgãos fiscalizadores (Defensoria, Ministério Público, OAB, CRM, CFM, etc) para que obriguem a gestão solucionar o quanto antes esse caos que só tende a piorar.

A lotação nos hospitais atrapalha o atendimento do serviço de emergência. Se nada for feito isso vai virar uma bola de neve e afetar toda a sociedade, mas principalmente, a população que busca diariamente as unidades de saúde. A gestão tem que assumir suas responsabilidades, tem que usar os recursos públicos para aplicar na saúde, desde a comprar de material ao pagamento dos funcionários que são dignos e merecedores de receberem seus proventos”, comentou Mario Vianna.

 

 

Deixe seu comentário