ÁREA DO ASSOCIADO

Faça seu login para ter acesso completo a sua conta.

Dúvidas: (92) 3651.7798 | 3308.9313 . contato@simeam.org

Notícias

EM PRIMEIRA REUNIÃO, SECRETÁRIO DEMONSTRA DESINTERESSE NA CARREIRA MÉDICA DE ESTADO DO AMAZONAS

Quarta-Feira, 08 de maio de 2019

A reunião entre os representantes do Simeam e o novo secretário de saúde da Susam Rodrigo Tobias aconteceu na segunda-feira (06.05). Na pauta, as velhas pendências do Estado com os médicos do Amazonas. Sobre a regulamentação da Carreira Médica de Estado (CMEAM) o secretário demonstrou desinteresse pela proposta, mesmo sendo essa uma das plataformas de campanha do Governador Wilson Lima quando candidato.

O Secretário afirmou ter um estudo desenvolvido por ele na Fiocruz sobre a distribuição dos médicos no interior do Estado e afirmou “a situação do Programa Mais Médicos me parece mais favorável em termos de custos e fixação de jovem médico no interior”.

Para o presidente do Simeam, esse ponto apenas já seria o bastante para uma grande decepção da categoria com o governo atual “além de prometido e anunciado apoio a CMEAM, o então candidato Wilson Lima fez questão de chamar os representantes do sindicato para explicações aprofundadas do assunto, no qual afirmou ser um conhecedor e defensor da questão, que por sinal foi proposta pelo parceiro de campanha, ex-deputado Luiz Castro, em união com o Simeam. É um tiro no pé dado pela gestão se mantiver esse pensamento do secretário diante de tantas promessas feitas a categoria médica, realmente decepcionante” afirmou Mario Vianna.

Seguindo a pauta as questões de pendências financeiras do Estado com os médicos, dentre elas o Processo 559/2014 referente a reposição de 5,1% ainda de 2012 onde todos os profissionais de saúde receberam e os médicos por um determinado espaço de tempo, ficaram de fora e os processos de enquadramento por titulação e tempo de serviço. Sobre os enquadramentos foi levantada a organização para formação da comissão, condição imposta pela SEAD para que possa haver aplicação dentro das negociações da Mesa Estadual.

Ainda sobre esses assuntos financeiros, o Secretário pediu a sua assessoria que faça um levantamento, mas deixou claro que a situação financeira do Estado não é propicia para pagamento de débitos do passado. Falou que dentro do montante do saldo devedor do Estado a saúde ocupa mais de 90% dos valores em abertos. Ainda ao ser questionado sobre prazos, em tom de brincadeira afirmou a um representante da reunião que estavam apenas se conhecendo a princípio.

Dentro das questões tratadas estava ainda a revisão da Lei 70 que é a Lei do PCCR dos médicos do Estado, que ele afirmou que isso seria um assunto para ser tratado dentro da mesa de negociação, que aliás, foi outro tema tratado e o único com prazo estabelecido para início dos trabalhos, dia 16 de maio, mas não com a questão da revisão da Lei e sim com situação de Data Base e composição estrutural. No mesmo sentido corre a formação do Conselho Estadual que deverá seguir conforme a determinação do Ministério Público do Estado (MPE-AM) que tem como forma de escolher seus membros a votação direta.

O presidente do Simeam afirmou seu descontentamento ao sair da reunião com o posicionamento do Secretário, principalmente por não assumir nenhum compromisso e nem aceitar uma agenda de encontros, diante de todos os questionamentos levantados pelo Sindicato na representação dos médicos.

Nunca, de todos os gestores que passaram pela pasta, senti tanta má vontade e descaso com os profissionais como senti nessa reunião, para mim é uma demonstração do descompromisso dessa gestão com os profissionais da saúde. Assim não resta outro caminho que não o da judicialização dos vários itens pendentes há tantos anos e se necessário for, chamar a categoria para uma greve geral”, afirmou Mario Vianna.

 

Deixe seu comentário