ÁREA DO ASSOCIADO

Faça seu login para ter acesso completo a sua conta.

Dúvidas: (92) 3651.7798 | 3308.9313 . contato@simeam.org

Notícias

Sábado, 09 de julho de 2022

O SIMEAM vai acionar os órgãos de fiscalização e controle estadual e federal para apurar denúncia encaminhada ao Sindicato dos Médicos que aponta a falta de ultrassonografista para atender as pacientes há mais de cinco dias no Instituto da Mulher Dona Lindu, fazendo com que as gestantes peregrinem para outras maternidades, gerando atraso de diagnóstico, acúmulo de serviço e aumento de complicações materno-infantil pela espera para realizar esse exame fundamental na ginecologia e obstetrícia. De acordo com a denúncia, muitas gestantes se aborrecem e vão embora.

Além do Instituto da Mulher Dona Lindu, outras maternidades também estão sem o profissional de ultrassonografia para a realização do exame. Segundo fontes, a empresa que venceu a última licitação por lote (ultrassonografia) atua para atender interesses do Governo do Estado, durante o processo licitatório a empresa não apresentou o quadro de corpo clínico (item obrigatório para comprovar a capacidade de executar o serviço em termos de recursos humanos e qualidade profissional).

O presidente do SIMEAM, Dr. Mario Vianna classifica como grave as denúncias e diz que vai encaminhar a demanda para os órgãos de fiscalização e controle estadual e federal. “Isso é grave e precisa realmente ser investigado pelos órgãos competentes, porque quem acaba sendo prejudicado é a população e os profissionais que trabalham com sobrecarga”, avaliou.

Segundo Mario Vianna, o problema também prejudica empresas idôneas de enfermagem como no atendimento de UTI. “A denúncia informa que empresas que não tem a sabida qualificação e o número de recursos humanos necessários, estão assumindo lotes das licitações de algumas unidades sem ter condições”, destaca.

Outro ponto da denúncia que chama a atenção é que as famosas Organizações Sociais (OS) estão sendo inseridas em processos de licitação mesmo com o histórico terrível de desvio de dinheiro público. “É mais um momento de tristeza na saúde pública amazonense prejudicando a população e o trabalhador”, conclui Vianna.

 

Texto: Alan Charles Chaves

Deixe seu comentário

Notícias anteriores