ÁREA DO ASSOCIADO

Faça seu login para ter acesso completo a sua conta.

Dúvidas: (92) 3651.7798 | 3308.9313 . contato@simeam.org

Notícias

ALERTA: COVID-19 CONTINUA VITIMANDO MÉDICOS DO AMAZONAS

Sexta-Feira, 25 de setembro de 2020

A pandemia provocada pelo novo coronavírus continua vitimando profissionais da saúde do Amazonas. No mês de setembro mais dois médicos que atuavam na linha de frente no combate à covid-19 foram vítimas da doença que já infectou 134.289 pessoas, segundo o boletim divulgado nesta quinta-feira (24/09) pela Fundação de Vigilância em Saúde do Estado (FVS-AM).

No dia 15/09, o médico Paulo Ricardo Dias da Silva, faleceu aos 72 anos. Formado pela Universidade do Estado do Amazonas (UFAM), ele atuou como clínico geral em posto de atendimento, Hospital Beneficente Portuguesa e Fundação Hospital Adriano Jorge, sendo proprietário do Centro Médico Cidade Nova.

O caso mais recente é do jovem médico Eduardo Henrique Lass Alves, que partiu aos 41 anos no dia 22/09. Natural de Curitiba, o Dr. Eduardo Henrique também formou-se pela UFAM, era especialista em ortopedista e traumatologia e atuou em várias unidades públicas e privadas de Manaus.

Atualmente o Simeam acompanha o caso de duas médicas que seguem internadas em unidades de saúde da rede particular com teste positivo para a covid-19. A assessoria de comunicação do sindicato entrou em contato com a Dra. Moisa Bonfim Carneiro. Ela informou que está internada há 13 dias e segue melhorando. O Sindicato dos Médicos não conseguiu contato com a Dra. Dária Barroso Serrão das Neves, mas tivemos informações que ela também segue o tratamento em quadro estável.

Diante desse cenário de mortes e mais infecções pelo novo coronavírus, o presidente do Simeam, Dr. Mario Vianna reforça que a entidade está acompanhando o crescimento dos casos e destaca a preocupação com os profissionais da saúde que foram obrigados a retornar ao trabalho após decreto do governo do estado.

Entramos com um mandado de segurança contra essa medida e estamos aguardando uma decisão da Justiça. Enquanto isso o estado se acautelou e ganhou 30 dias para se manifestar. Não podemos permitir que mais vidas sejam ceifadas por esse vírus e pela falta de ações que de fato preservem os verdadeiros guerreiros que lutam pela, ou seja, todos os profissionais da saúde”, afirmou Vianna.

Deixe seu comentário